terça-feira, 18 de agosto de 2009

ALGUMAS CARACTERISTÍCAS DE IANSÃN OYÁ!


Oyá é a dona dos ventos, raios e tempestades.

Também dona das alianças,panelas e teto (casa)...

Mulher sensual e guerreira, identifica-se com pessoas de temperamentos imprevisíveis.

Sua "morada" é a pitangueira, porém como guarda passagens com todos os outros orixás, aceita oferendas em "cruzeiro, mato, praia,etc".

Para alguns, a Yansã moça chama-se Oyá, e a mais velha é a Yansã.símbolos:espada, taça, pulseiras e brincos,etc...

alimento:acarajé, batata doce, pipoca...

frutas:manga rosa,romã,pitanga,maçã,ameixa,morangovegetais:pitangueira, figueiraervas:eucalipto, raiz de salsa, arruda fêmea, hortelã pimenta, malva,espada de yansã...

(borda amarela),bambu,sensitivacores: vermelho e branco/coraldia da semana: terça e quinta

número:7 e 9 saudação:eparrêi oyá! sincretismo:santa Bárbara data:4 de dezembro

LENDAS DE OYÁ (3)


Oiá sopra a forja de Ogun e cria o vento e a tempestade
Osaguiã estava em guerra, mas a guerra não acabava nunca, tão poucas eram as armas para guerrear.
Ògún fazia as armas, mas fazia lentamente. Osaguiã pediu a seu amigo Ògún urgência, Mas o ferreiro já fazia o possível.
O ferro era muito demorado para se forjar e cada ferramenta nova tardava como o tempo. Tanto reclamou Osaguiã que Oyá, esposa do ferreiro, resolveu ajudar Ògún a apressar a fabricação.
Oyá se pôs a soprar o fogo da forja de Ògún e seu sopro avivava intensamente o fogo e o fogo aumentado de calor derretia o ferro mais rapidamente.
Logo Ògún pode fazer muitas armas e com as armas Osaguiã venceu a guerra. Osaguiã veio então agradecer Ògún. E na casa de Ògún enamorou-se de Oyá.
Um dia fugiram Osaguiã e Oyá, deixando Ògún enfurecido e sua forja fria. Quando mais tarde Osaguiã voltou à guerra e quando precisou de armas muito urgentemente, Oyá teve que voltar a avivar a forja. E lá da casa de Osaguiã, onde vivia, Oyá soprava em direção à forja de Ògún.
E seu sopro atravessava toda a terra que separava a cidade de Osaguiã da de Ògún. E seu sopro cruzava os ares e arrastava consigo pó, folhas e tudo o mais pelo caminho, até chegar às chamas com furor atiçava.
E o povo se acostumou com o sopro de Oyá cruzando os ares e logo o chamou de vento. E quanto mais a guerra era terrível e mais urgia a fabricação das armas, mais forte soprava Oyá a forja de Ògún. Tão forte que às vezes destruía tudo no caminho, levando casas, arrancando árvores, arrasando cidades e aldeias. O povo reconhecia o sopro destrutivo de Oyá e o povo chamava a isso tempestade.
Notas bibliográficas

LENDA DE OYÁ (2)


Oyá é dividida em nove partes

Antes de tornar-se esposa de Xangô, Oyá vivia com Ogun. Ela vivia com o ferreiro e ajudava-o em seu ofício, principalmente manejando o fole para ativar o fogo na forja. Certa vez Ogun presenteou Oyá com uma varinha de ferro, que deveria ser usada num momento de guerra. A varinha tinha o poder de dividir em sete partes os homens e em nove partes as mulheres. Ogun dividiu esse poder com a mulher.
Na mesma aldeia morava Xangô, ele sempre ia à oficina de Ogun apreciar seu trabalho e em várias oportunidades arriscava olhar para sua bela mulher. Xangô impressionava Oyá por sua majestade e elegância. Um dia os dois fugiram para longe de Ogun, que saiu enciumado e furioso em busca dos fugitivos. Quando Ogun os encontrou, houve uma luta de gigantes. Depois de lutar com Xangô, Ogun aproximou-se de Oyá e a tocou com sua varinha, e nesse mesmo tempo Oyá tocou Ogun também, foi quando o encanto aconteceu: Ogun dividiu-se em sete partes, recebendo o nome de Ogun Mejê, e Oyá foi dividida em nove partes, sendo conhecida como Iansã, “Iyámesan”, a mãe transformou-se em nove.

UMA DAS LENDAS DO ORIXÁ OYÁ!


Oiá ganha de Obaluaê o reino dos mortos
Certa vez houve uma festa com todas as divindades presentes. Omulu-Obaluaê chegou vestindo seu capucho de palha. Ninguém o podia reconhecer sob o disfarce e nenhuma mulher quis dançar com ele. Só Oiá, corajosa, atirou-se na dança com o Senhor da Terra.
Tanto girava Oiá na sua dança que provocava vento. E o vento de Oiá levantou as palhas e descobriu o corpo de Obaluaê. Para surpresa geral, era um belo homem.
O povo o aclamou por sua beleza. Obaluaê ficou mais do que contente com a festa, ficou grato. E, em recompensa, dividiu com ela o seu reino. Fez de Oiá a rainha dos espíritos dos mortos.
Rainha que é Oiá Igbalé, a condutora dos eguns. Oiá então dançou e dançou de alegria. Para mostrar a todos seu poder sobre os mortos, quando ela dançava agora, agitava no ar o iruquerê, o espanta-mosca com que afasta os eguns para o outro mundo.
Rainha Oiá Igbalé, a condutora dos espíritos. Rainha que foi sempre a grande paixão de Omulu.





PEÇA......

PEÇA LIBERDADE AOS VENTOS DE OYÁ...
PEÇA JUSTIÇA AO MACHADO DE XANGÔ...
PEÇA FORÇAS À ESPADA DE OGUM...
PEÇA PROTEÇÃO AO ARCO E AS FLECHAS DE OXÓSSI...
PEÇA O AXÉ DAS FOLHAS DE OSANHA...
PEÇA SAÚDE E BENÇÃO ÀS FORÇAS DE OBALUAYÊ....
PEÇA TEMPO DE PAZ E FELICIDADE AO PRÓPRIO TEMPO....
PEÇA RIQUEZA E AXÉ OXUMARÉ...
PEÇA PROTEÇÃO DE OLOOKÊ...
PEÇA REVELAÇÕES A IFÁ...
PEÇA SABEDORIA À QUERIDA MÃE NANÃ...
PEÇA ENCANTO À LOGUN-EDÉ..
PEÇA A DOÇURA DAS ÁGUAS DE OXUM...
PEÇA BELEZA, EQUILÍBRIO E A GRANDEZA DE ESPÍRITO, QUAL OS MARES DE YEMANJÁ...
PEÇA A ALEGRIA E A IREVERÊNCIA DO GARGALHAR DE EXÚ...
PEÇA A MALANDRAGEM BOA DE SEU ZÉ PILINTRA E SEUS MALANDROS...
PEÇA A FÉ DAS REZAS DE PAI JOAQUIM D’ANGOLA E TODOS OS PRETOS VELHOS....
PEÇA O COLORIDO DO MUNDO CIGANO A ALEGRIA...
PEÇA A DOÇURA E INOCÊNCIA AOS ERÊS...
PEÇA TESOUROS AO CRIADOR...
SABE O QUE VAI RECEBER???.......
A Proteção de todos os Orixás!!!!!

(ANÔNOMO)